Göttinger Predigten

deutsch English español
português dansk Schweiz

Startseite

Aktuelle Predigten

Archiv

Besondere Gelegenheiten

Suche

Links

Gästebuch

Konzeption

Unsere Autoren weltweit

Kontakt
ISSN 2195-3171





Göttinger Predigten im Internet hg. von U. Nembach

1º Domingo após Pentecostes/Domingo da Trindade, 03.06.2007

Predigt zu Salmo 8:, verfasst von Jonas Naor Glienke

  

DEUS NOS OUVE

  Salmo 8.1: "Ó Senhor, Senhor nosso, quão magnífico em toda a terra é o teu nome!"

Quem de nós já não falou ou ouviu alguém falar com algum abjeto ou algum ser irracional? Fico imaginando muitas pessoas conversando com as panelas, outras com o vento, outras com as ruas, outras com as estrelas, outras com o cachorrinho. Tem muitas pessoas que conversam com o travesseiro. Tem pessoas que conversam com o cigarro, com o copo de cerveja. Tem pessoas que conversam com fotos. Tem pessoas que conversam com seu carro, outras com as suas flores.

É porque, ao que me parece, para cada pessoa tem ouvidos que não são ouvidos sempre prontos a ouvir, mesmo que jamais possam ouvir.

Ah! Tem também aquelas pessoas que falam sozinhas, sem que alguém as ouça. Ou será que essas pessoas são as mesmas que falam com carros, flores, fotos, panelas, estrelas, ruas?

Será que essas pessoas muitas vezes não somos nós? Será que essa pessoa não é você, eu?  Quantas vezes falamos e os nossos ouvintes não têm ouvidos! Às vezes nem mesmo vida tem.

Freqüentemente nos sentimos tão felizes e outras vezes tão tristes; às vezes temos tantas vitórias e outras vezes tantas derrotas; às vezes temos tanta saúde e num outro tempo tanta doença.

E, em meio a tudo isto, nos pegamos conversando com ouvintes sem ouvidos para ouvir. Até parece que somente encontramos ouvidos para quem fala em panelas, fotos, ventos, estrelas, ruas, travesseiro, cigarro, álcool, drogas, estátuas, quadros.

Queridos amigos, mesmo que não haja mais um ser humano pronto a nos ouvir, lembre-se: antes de apelar aos ouvidos que não conseguem ouvir, Deus nos ama e ele nos ouve! É, como disse alguém: "É tão fácil esquecer que Deus é uma Pessoa e começar a pensar nele como uma força ou poder, uma obrigação ou princípio, algo abstrato e impessoal - algo que enche a sala, até mesmo o universo, mas não tem rosto.Deus tem rosto. É o rosto de Jesus. E Deus é uma pessoa muito real, que se relaciona conosco como Pessoa, não como uma força ou um conjunto de princípios morais" (Jack Deere).

É um tanto estranho o fato de nos colocarmos a conversar com o vento. Ele tem força, mas não se relaciona como pessoa, como um ser. Deus não só tem força e poder, mas Deus é uma pessoa que se relaciona conosco, Deus é alguém que nos ama indistintamente! Ele nos ouve sempre e nos atende sempre, de acordo com o que é melhor para nós!

Quando você fala com Deus, não estás falando com ouvidos que não ouvem, nem mesmo falando sozinho! Você está falando com o Pai que lhe chama pelo nome! O rei Davi escreve no Salmo 8: "Ó Senhor, Senhor nosso,quão magnífico em toda a terra é o teu nome!"

O início e o fim do salmo têm a mesma expressão de admiração reverente. O cristão reconhece em Deus o maior e melhor companheiro, amigo.

O nome e a natureza de Deus se mostram excelentes em todos os lugares, em todas as circunstâncias. Deus revela a sua glória em toda a sua natureza, e o se amor na sua Palavra: na Escritura Sagrada. Mas a glória e majestade de Deus é também insondável e infinita, revelada nos céus.

Quando contemplamos as obras dos dedos de Deus, quem é o ser humano para que Deus se lembre dele? Deus se lembra de nós para nos livrar e salvar, certamente não por causa do nosso nome, mas por ele ser o nosso Deus, por ele tornar-se nosso Pai, quando abandonados e desgraçados estávamos.

Davi pergunta Salmo 8, uma vez admirado com as maravilhas criadas pelo dedo de Deus, o porquê de Deus escolher algo tão pequeno e insignificante, como o ser humano, para ser objeto de seu especial e eterno amor.

O ser humano, movido por coração pecador, diz: "Eu, super-homem... quem é Deus para que me lembre dele?" O salmista contempla a majestade de Deus e diz ao contrário: "Quem é o homem para que Deus se lembre dele?"

O homem é mordomo de Deus junto à criação, e tudo tem sido colocado sob sua autoridade. Por causa do seu pecado o ser humano não cumpre este propósito, antes pensa arrogantemente ser dono da criação, e auto-suficiente... não mais podendo ver que não passa de um grão de areia aos olhos de Deus. Um grão de areia que a lei de Deus poderia simplesmente abandonar.

Mas Deus insiste em transformar este grão de areia em sua jóia mais preciosa. Ele quer nos reconciliar = mudar trocar. Isto é muito bem expresso nas palavras da epístola deste culto (Rm 5.1-5 (6-10).

Justificados mediante a fé temos paz com Deus, por meio de Jesus Cristo. Ora a esperança não confunde, porque o amor de Deus é derramado em nosso coração pelo Espírito Santo, que nos foi concedido. Este é o Deus Eterno, o Deus Triúno!

A esperança não confunde (Rm 9.33;10.11).  Deus não falta em suas promessas (Rm 4.20,21).

Nossa relação com Deus mudou através da morte e ressurreição de Cristo. Passamos de inimigos para filhos amados (2 Co 5.18-20), recebemos a adoção de filhos - recebemos o nome do nosso Pai (Gl 4.1-7). Passamos a adotar o nome do noivo, uma vez que somos a noiva de Cristo, enquanto igreja.

Deus nos chama pelo nosso nome, assim como somos, sem pedir pré-disposição, e nos dá o seu nome.

Por que Deus nos chama pelo nome? Por nosso nome ter fama, por sermos alguém bom o suficiente, ao menos alguém dos melhores?

Vou citar alguns exemplos da Bíblia em que Deus chama repetitivamente e de forma enfática, onde percebemos que Deus chama por nos amar, não por nosso nome ser excelente!

Quando Deus chama de forma repetida, é sinal de que ele nos ama muito, como, por exemplo: Maria e Marta - Deus chama Marta com amor, mesmo que não tinha tempo para ele (Lc 10 32-42). Jesus Simão Pedro com amor, mesmo quando mostra a ele que iria negá-lo (Lc 22.31).  Jesus chama Saulo com amor, mesmo sendo o maior perseguidor da Igreja (At 9.4). Jesus chama Jerusalém com amor, mesmo diante da plena rejeição do seu povo. Deus fez tudo pelo seu povo, mas não o receberam. Mas Jesus continua chamando com amor (Mt 23.37).

Este é o Triúno e Eterno Deus, revelado na Escritura, e que confessamos no credo cristão: Deus Pai, Filho e Espírito Santo, e o que faz por nós.

Não vemos o homem todo poderoso, independente, auto-suficiente, mas um Deus de amor que vem nos chamar pelo nome e nos dá o seu nome.

Não vemos o nome do ser humano como merecedor, a não ser do juízo de Deus. Mas vemos o nome de Deus, vemos Deus movido por seu amor nos chamando pelo nosso nome, apesar de pecadores, pois nos aceita como somos, para nos dar nova vida, nos dar o seu nome. Sermos adotados como filhos da sua família, que trabalham no seu reino!

O ser humano, movido por coração pecador, diz: "Eu, super-homem... quem é Deus para que me lembre dele?" O salmista contempla a majestade de Deus e diz ao contrário: "Quem é o homem para que Deus se lembre dele?"

Veja a partir da maneira de Deus lhe mostrar as coisas, não da forma como nós muitas vezes supomos.   Deus lhe chama pelo seu nome por que lhe ama e quer lhe ouvir e lhe mostrar a vida verdadeira! Deus quer ser o seu amigo pessoal! Diz Jack Deere: "A maiorias dos cristãos (pessoas) quer a amizade de Jesus. Querem ouvir a sua voz. Mas o que tenho percebido é que a maioria de nós está dividido. Não queremos somente Jesus. Queremos Jesus e algo mais. Queremos Jesus e uma boa casa. Jesus e filhos obedientes. Jesus e uma carreira bem-sucedida. Jesus e bons amigos. Nenhum desses desejos é errado . Só que é muito fácil encarar Jesus como meio de se obter essas coisas. É muito fácil desejar Jesus como um meio para chegar a outro fim, quando ele é, em si mesmo, o fim de todas as coisas. É isso que impede a amizade com Deus, e o que quer que impeça a amizade com Deus impede nossa capacidade de ouvir e reconhecer a sua voz".

Continua ele, dizendo: "É tão fácil esquecer que Deus é uma Pessoa e começar a pensar nele como uma força ou poder, uma obrigação ou princípio, algo abstrato e impessoal - algo que enche a sala, até mesmo o universo, mas não tem rosto. Deus tem rosto. É o rosto de Jesus. E Deus é uma pessoa muito real, que se relaciona conosco como Pessoa, não como uma força ou um conjunto de princípios morais".

Não vamos continuar falando sozinhos! Deus é alguém que nos ama indistintamente. E nos ouve! Ele diz a mim e a você em Is 43.1: "Não temas, porque eu te remi; chamei-te pelo teu nome, tu és meu".

E, no nosso texto, o salmista exclama: "Ó Senhor, Senhor nosso, quão magnífico em toda a terra é o teu nome!"

Que isto seja uma confissão real e verdadeira, em palavras e atitudes, em sua vida, meu amigo! Amém.



Jonas Naor Glienke
Lajeado, RS - Brasil
www.ielb.com.br
E-Mail: jonasnaor@gmail.com

(zurück zum Seitenanfang)