Göttinger Predigten

deutsch English español
português dansk Schweiz

Startseite

Aktuelle Predigten

Archiv

Besondere Gelegenheiten

Suche

Links

Gästebuch

Konzeption

Unsere Autoren weltweit

Kontakt
ISSN 2195-3171





Göttinger Predigten im Internet hg. von U. Nembach

Dia de Ano Novo, 01.01.2012

Predigt zu Números 6:22-27, verfasst von Dari Jair Appelt

 

Graça e Paz a vocês que partilham das bênçãos de Deus! Amém.

Estimada Comunidade, irmãos e irmãs em Cristo!

"O Senhor te abençoe..." palavras significativas que ouvimos e pronunciamos com freqüência. São palavras de bênção pronunciadas em momentos e locais diversos. Nós as ouvimos nos templos quando a Igreja se reúne para louvar e agradecer a Deus por seu amor, dons e dádivas e buscamos por comunhão com ele na Palavra e Sacramentos. Geralmente somos despedidos com esta bênção de Arão ou então, com uma outra que nos revela o desejo de que o Trino Deus acompanhe, proteja e cuide da sua gente. São palavras que vêm acompanhadas de um gesto: imposição de mãos, e estão presentes também por ocasião de ofícios, sacramentos, instalações de ministros/as e lideranças e servem de conforto e ânimo para seguir em frente, confiantes de que na companhia de Deus se pode enfrentar com coragem o que a vida reserva. São palavras que ouvimos, sentimos e também partilhamos.

A prática de pedir a bênção ao pai e à mãe, ao padrinho e à madrinha, aos avós, é costume em algumas regiões do país. Imagino que todos e todas nós temos histórias para contar a respeito do assunto. Lembro de um andarilho que, de tempos em tempos quando passava pela vila onde morávamos, se achegava com humildade à casa pastoral para solicitar: "a bênção do pastor". Em duas comunidades onde atuei, observei que algumas pessoas sempre chegavam atrasadas para o culto. Apesar de mudarmos o horário isso persistia. Um dia fui conversar com elas para saber o porquê desta atitude. Ao que me responderam que para eles o mais importante era a bênção. Há povos e culturas em que a bênção integra o ritual do dia e ou é marcante nos rituais de passagem. As palavras podem ser outras, mas a intenção é transmitir votos de que o Criador acompanhe e proteja, conceda graça e paz!

Pois bem, enquanto vocês lembram fatos da vida com experiências relacionadas à bênção, convido para ouvirmos o texto previsto para a reflexão neste início de Ano.

Leitura de Números 6.22-27

Irmãos e irmãs na fé! Estamos diante de um dos textos mais conhecidos da Bíblia. Nestas poucas palavras proferidas por Deus a Moisés com o propósito de instruir o que Arão deveria dizer ao povo, percebemos que Deus deseja cuidar dos que nele confiam. Essa palavra fala do olhar amoroso e misericordioso de Deus e da paz que nele é possível. O conteúdo dessa bênção vira notícia na boca dos anjos, que anunciam a encarnação desse olhar misericordioso de Deus no menino da estrebaria: Jesus (Lc 2.15-21). E, o apóstolo Paulo na sua carta aos filipenses, traduz em outras palavras o que Deus fez e sente em forma de poesia e que se tornou hino. Há perfeita sintonia entre os textos sugeridos para este primeiro domingo do ano.

A providência divina é um dos grandes temas do livro de Números. O recorte que temos aqui nos lembra que Deus cuida e vela por todas as necessidades do seu povo. O objetivo é fortalecê-lo na confiança, bem como lembrá-lo de que na caminhada em busca da libertação e no resgate de sua identidade como povo de Deus, segue abençoado, podendo contar com a sua misericórdia e seu desejo de paz. Quem se confia aos cuidados de Deus, acredita nas suas promessas e deseja sua companhia na jornada da vida. Quem assim faz, sabe quão significativa é a sua bênção. Nela se revela sua graça e se traduz todo o seu amor.

A bênção vem a ser um voto e uma oração que acompanha a gente desde o Batismo. Dadas as nossas limitações e dificuldades na compreensão da vontade de Deus, precisamos ouvi-la e senti-la sempre de novo. Pela fé ela tem influência sobre o nosso pensar e agir; motiva a partilhar dons e dádivas e a colaborar na promoção da paz na terra.

Somos o povo da Nova Aliança e, como Igreja de Jesus Cristo que se reúne em Comunidade, temos o privilégio de celebrar esta relação de cuidado que Deus tem conosco. Podemos nos sentir envoltos em sua Graça, fortalecidos por sua Palavra e motivados a tornar a " ativa no amor" (como sugere Lutero, o reformador, usando termos do apóstolo Paulo). Entendemos que a bênção também nos compromete a dar testemunho deste amor de Deus e de sua preocupação conosco e de seu desejo de Paz. Confiantes na sua presença e em seu cuidado podemos a cada Novo Ano recomeçar a caminhada, e fortalecidos colocar "sinais de paz e de graça neste mundo que ainda é de Deus" (HPD 165).

Por isso mesmo não temos necessidade de dar ouvidos a previsões sombrias nem embarcar na onda de ansiedade diante do futuro, tentando saber o que o Ano vai trazer e achando que a gente deva se prevenir. "Tudo posso naquele que me fortalece" (Fp 4.13). Se contarmos, sinceramente, com a bênção de Deus, saberemos enfrentar os obstáculos, assim como toda sorte de dificuldades e até tentações. Não precisamos ter medo nem achar que estamos sozinhos "na parada". Na busca por superação e por mudanças podemos, isto sim, clamar com fé: "Concede-nos a bênção, Senhor". Ademais, a certeza da presença e companhia de Deus nos encoraja e fortalece para que demos testemunho em palavra e ação do seu amor e de sua vontade, custe o que custar.

Por isso é tão importante resgatar esta prática e seu significado na vida familiar e comunitária. A bênção nos marca no batismo, na confirmação, matrimônio, unção e até por ocasião do sepultamento. É importante em todos os outros momentos em que desejamos a companhia do Senhor. Bênção envolve palavra, gesto e toque. Promessa e realização. Passado, presente e futuro. Desejo e atitude. Quem pronuncia a Bênção em nome de Deus é instrumento de sua vontade e deve estar comprometido com ela.

Pensando nos tempos em que vivemos ou tentamos sobreviver devido à grande insegurança que "campeia solta" e que está em toda a parte, gerando angústia e sofrimento, podemos entender a sua importância para o povo que teve que enfrentar o deserto, rumo à terra prometida. Quantas pessoas estão em situação semelhante e talvez nem conheçam o mapa, nem tem GPS para mostrar o caminho a seguir. Andam sem rumo, se esqueceram da oferta de Deus e pensam que estão abandonadas à própria sorte! O nosso olhar de misericórdia, iluminado pelo olhar de Deus deveria traduzir o sentimento de solidariedade e refletir a intenção de cuidado que aprendemos do Senhor da vida, que caminha conosco e nos faz instrumentos de sua vontade. O olhar de Deus tem poder de confortar e de mobilizar para enfrentar os novos desafios que este ano vai trazer consigo. Que possamos em todos os momentos nos lembrar da sua oferta de Paz para então, por gratidão, servir à sua causa. Que possamos também apontar onde ela está em falta e descobrir por que. Assim, estaremos resgatando a esperança por um mundo mais justo e fraterno, contribuindo à missão de Deus e promovendo a salvação das pessoas.

E paz de Deus que excede todo o entendimento, guarde os nossos corações em Cristo Jesus. Permanecei no amor de Deus e Paz seja com todos e todas você.

Amém.



P. Dari Jair Appelt
Curitiba, PR, Brasil
E-Mail: darijair@yahoo.com.br

(zurück zum Seitenanfang)