Göttinger Predigten

deutsch English español
português dansk Schweiz

Startseite

Aktuelle Predigten

Archiv

Besondere Gelegenheiten

Suche

Links

Gästebuch

Konzeption

Unsere Autoren weltweit

Kontakt
ISSN 2195-3171





Göttinger Predigten im Internet hg. von U. Nembach

6º Domingo após Pentecostes, 08.07.2007

Predigt zu 1 Reis 19:9-19, verfasst von Eberval Lucas

  DEUS NUNCA ABANADONA OS SEUS FIÉIS

1 Rs 19.14: "Ele respondeu : Tenho sido em extremo zeloso pelo SENHOR , Deus dos Exércitos , porque os filhos de Israel  deixaram  a tua aliança , derribaram  os teus altares  e mataram  os teus profetas  à espada ; e eu fiquei  só, e procuram  tirar-me  a vida".

Coincidentemente o encerramento do concílio dos pastores de nosso Distrito foi no dia 10 de Junho, o dia do pastor.

Embora, não tenha participado de todo encontro tive a oportunidade de estar no final, o que pra mim já foi válido por todo Concílio. Isso somente pelo fato de uma coisa que aconteceu no culto de encerramento.

O pastor da congregação local no final do culto convidou todos os pastores à frente para que fossem feita uma pequena homenagem.

Depois de algumas palavras e um hino especialmente composto para o dia, ele pediu se alguém da congregação gostaria de fazer uma oração agradecendo a Deus pelos pastores.

Visto que são sempre eles, os pastores que oficiam a palavra e conduzem as orações, e havia uma quantidade considerável de pastores ali, pensei que nenhum leigo se arriscaria a esse serviço.

Mas um senhor que conheço já faz algum tempo, na sua simplicidade de uma pessoa que cresceu e foi criado na roça, pediu a palavra.

Num momento de oração emocionante uma frase que me marcou profundamente e acredito que também a todos os outros que estavam ali foi o que ele repetiu várias vezes: "Ó Senhor, eu te agradeço por ter preparado esses homens para pregar a tua Palavra. Por causa disso eu e nenhum daqueles que me pertencem nunca fomos enganados; mas sempre tivemos o privilégio de ouvir a tua verdade".

Palavras de alguém que na sua simplicidade sabe o que é o Ministério Pastoral e o valor que esse Ofício têm para todos. Palavras que também nos faz, a nós pastores, valorizar mais ainda essa tarefa tão árdua, mas tão grandiosa.

Estamos sofrendo uma profunda reviravolta na igreja. O mundo mudou com todos esses recursos tecnológicos, televisão, Internet etc. e a igreja vem sofrendo com tudo isso.

Os membros estão sendo influenciados pelas modas e costumes que os meios de comunicação impõem para dentro dos nossos lares.

Até naquelas paróquias do interior onde a igreja era tão valorizada, o catecismo tão estudado pelos confirmandos, que com a admiração do pastor diziam toda a tarefa na ponta da língua; tudo isso mudou.

E hoje as dificuldades presentes nas congregações das cidades costumam ser de quase todas. Existe uma séria concorrência, uma disputa por audiência entre certas coisas que hoje estão presentes em todos os lares e a igreja.

Já vi casos em que pastores começavam os cultos com pouquíssimas pessoas presentes, por que os outros não "podiam" vir. Um péssimo exemplo de mordomia do tempo e de valorização do terceiro mandamento.

Existe todo um preparo, uma expectativa e até uma ansiedade antes de colocar as vestes talares e aparecer diante daqueles que estão ali nos esperando para serem conduzidos diante de Deus naquele momento que é o ápice do serviço cristão, o culto.

Penso que isso deveria também ser sentido por todos aqueles que estão lá nos bancos participando. Eles estão diante de Deus, o Senhor. Por isso o temor e o amor pela Palavra que será pregada.

Mas eis que muitos já trocaram a palavra de Deus pelo conselho de seus amigos, nem que sejam aqueles amigos de porta de boteco. Muitos já criaram até a sua própria religião, visto acreditarem naquilo que eles pensam ser certo ou errado.

Há até aqueles que acham que nem precisam ir à igreja, só por que dizem ler a Bíblia em casa já é o suficiente.

E ainda aqueles que nunca contribuem, não dão as suas ofertas por que dizem - o pastor só sabe pedir dinheiro.                                                                                                                                     

Tudo isso não é novidade pra nenhuma paróquia. Mas tudo isso também é o que desanima muitos líderes de muitas congregações e juntando tudo isso a várias outras reclamações e problemas é o que está desmotivando a muitos pastores que já serviram arduamente, mas que nunca recebem uma palavra de gratidão, uma visita para animar e incentivar ou o mínimo reconhecimento pelo seu trabalho e esforço

Não queremos fogos de artifícios e palmas, mas, por outro lado, salário não é tudo. Isso os grandes entendidos nas grandes empresas já descobriram que não basta o funcionário ter um salário excelente, o que os pastores não têm, para ele render mais no trabalho.

 Precisa-se de algo mais, talvez, no caso dos pastores, o companheirismo e a compreensão.

  O profeta Elias, no texto de hoje, estava passando por um período de profunda crise ministerial. Ele estava deprimido. Além disso, estava sendo perseguido por seus inimigos que desejavam tirar a sua vida.

Para alguém que tanto tinha se esforçado para que seu povo voltasse para Deus.

Para que se afastassem da idolatria. Que havia presenciado a incredulidade e o desprezo daquele povo para com a aliança de Deus e as bênçãos que Deus sempre dispensara em favor deles, ele parecia ser o único.

O único com uma mensagem que ninguém queria ouvir. O único que acreditava nos objetivos daquilo que ensinava, mas que estava condenado à morte juntamente com a mensagem que trazia, por que ninguém queria dar atenção àquelas palavras ultrapassadas, visto que preferível era seguir os prazeres que o mundo, a carne e a própria vontade oferecem. O que fazer?

Nós, na verdade, não podemos fazer nada. É Deus quem faz. E ele diz para o profeta Elias: "Conservei em Israel sete mil , todos os joelhos  que não se dobraram  a Baal, e toda boca  que o não beijo" (1 Rs 19.18).

O profeta Elias imaginava na sua angústia a sua derrota e consequentemente a ruína da mensagem de Deus.

Mas ainda haviam muitos que perseveraram. Por isso as palavras bíblicas ditas por Jesus a Pedro; "e sobre esta pedra edificarei a minha igreja e as portas do inferno não prevalecerão contra ela" (Mt 16.18).

Ainda que os inimigos lutem contra a igreja, a incredulidade se propague, que a igreja seja desvalorizada nada poderá derrubar a verdade divina e derrotar aqueles que crêem.

Mas um triste fim está reservado para aqueles que se tornam inimigos de Jesus, que estão dentro da igreja, conhecem a palavra, mas fazem como aqueles que trabalharam contra o reino de Deus. "Digo-vos que, naquele dia , haverá  menos rigor para Sodoma  do que  para aquela  cidade" (Lc 10.12). Palavras de Jesus àqueles que não aceitaram a sua pregação.

De vez em quando, acredito que todos param para analisar a sua fé e o seu trabalho na igreja, pelo menos era isso que devia acontecer.

Às vezes os pastores se deparam num desses momentos em que ficamos bastante desanimados com o Ministério Pastoral, tantos problemas que aparecem e muitas vezes sem motivo, conversas que desacreditam e desabonam o Ministério.

Quando ouvi aquela oração tão fervorosa daquele leigo agradecendo "por esses homens que Deus preparou para ministrarem a Palavra", me lembrei do profeta Elias escondido naquela caverna de cabeça baixa e muito desanimado. E do que Deus disse a ele "Conservei em Israel  sete  mil, todos os joelhos  que não se dobraram  a Baal, e toda boca  que o não beijou".

Quantos outros, assim como aquele leigo, estão em lugar de muitos que desprezam, servindo fielmente ao seu Senhor em todas as congregações do nosso país.

Que apesar de tudo, estão ali ouvindo a palavra e deixando ela trabalhar em seus corações. E juntos com os seus pastores trabalham pelo crescimento da igreja e pela divulgação da Palavra.

E quando vierem esses momentos de desânimo quando vemos claramente a incredulidade e a ingratidão de muitos para os quais pregamos e testemunhamos parecendo ser tudo em vão, nos lembremos o que Jesus disse aos seus discípulos quando chegaram para ele entusiasmados com o sucesso de suas empreitadas e diziam: "Até os demônios nos obedeciam quando, pelo poder do nome do senhor, nós mandávamos que saíssem das pessoas!"

E Jesus disse a eles: "Não fiquem alegres porque os espíritos maus lhes obedecem, mas sim porque o nome de cada um de vocês está escrito no céu" (Lc 10.18-20).

Se ficarmos desanimados, vamos nos alegrar e buscar forças no Senhor. Se estamos alegres, nos alegremos com aquilo que recebemos do Senhor sabendo que a maior recompensa ainda está reservada para ser entregue aqueles que forem fiéis até o fim.

Que Deus continue dando forças a cada pastor e a cada líder da IELB a fim de que trabalhem incansavelmente pela sua Igreja, mesmo em meio a dificuldades, e que, no final, recebam a herança incorruptível que o Senhor tem preparado para todo aquele que o servir em fidelidade.

Que ainda, Deus continue multiplicando na igreja aqueles que valorizam a pregação e a Palavra e fielmente buscam servir ao seu Senhor.

"Sê fiel até à morte e dar-te-ei a coroa da vida" (Ap 2.10). Amém.



Eberval Lucas
Seringueiras, RO ? Brasil
E-Mail: ebervallucas@msn.com

(zurück zum Seitenanfang)