Göttinger Predigten

deutsch English español
português dansk Schweiz

Startseite

Aktuelle Predigten

Archiv

Besondere Gelegenheiten

Suche

Links

Gästebuch

Konzeption

Unsere Autoren weltweit

Kontakt
ISSN 2195-3171





Göttinger Predigten im Internet hg. von U. Nembach

2º Domingo na Quaresma, 16.03.2014

Predigt zu Gênesis 12:1-4, verfasst von Paulo Sergio Einsfeld


Desejo que a graça do Nosso Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus Pai e a comunhão do Espírito Santo estejam com todos nós. Amém.

Caros irmãos e irmãs, a Palavra de Deus para hoje vem das primeiras páginas da Bíblia. No livro de Gênesis ficamos sabendo sobre o início do mundo, e sobre o início do Povo de Israel, o povo de Deus. Este começa pequeno, com um casal: Abraão e Sara, pai e mãe do povo eleito por Deus. Ainda mais, Abraão é citado no Novo Testamento como o "pai de todos os que creem" (Rm 4.11). Abraão é modelo de fé para todas as pessoas cristãs. Como era então a fé de Abraão? Por que seu modo de crer continua sendo modelo para nós hoje? Vejamos algumas características de fé de Abraão.

     1. A fé de Abraão é fé obediente a Deus. Deus fala, e Abraão obedece. Deus dá a ordem: "Saia da sua terra..." "e Abraão partiu de Harã como o Senhor havia ordenado". Abraão não questiona: "Por que devo sair? Para onde? Por que logo eu?" Uma ordem não é para ser questionada, mas obedecida.

Nós temos dificuldades em obedecer a Deus, em sermos submissos à sua vontade. Somos ensinados a não nos submeter a ninguém, a buscar nossa liberdade, exigir nossos direitos. Submissão e obediência não são as melhores qualidades exigidas para quem quer vencer na vida. Não é isso que o mundo competitivo espera de nós.

Mas é exatamente isso que Deus espera de nós! Quando Ele fala, só nos resta obedecer! Os profetas foram chamados por Deus a anunciar a sua mensagem. Amós disse: "Quando o leão ruge, quem não fica com medo? Quando o Senhor Deus fala, quem não anuncia a sua mensagem?" (Am 3.8) O apóstolo Paulo dizia: "Ai de mim se eu não anunciar o pregar o Evangelho" (1 Co 9.16). Quando Deus fala, cabe-nos obedecer. Abraão sabe que a ordem de sair não vem dele próprio. Não vem de seus desejos interiores. Ele identifica a "voz" como sendo do próprio Deus, e se submete à ordem recebida.

Tomo a liberdade de perguntar: Como está a minha disposição em obedecer àquilo que o Evangelho de Jesus me coloca como importante? Estou pronto para me submeter? Submeter meu orgulho, minha própria vontade debaixo da vontade de Deus? 


     2. A fé a partir de Abraão é fé que assume riscos
. Ao obedecer a Deus, Abraão renuncia a tudo que lhe daria segurança. Cada ordem de Deus vai trazer suas consequências:

"Saia da sua terra, - Deixe, Abraão, o pedacinho de chão em que foste criado!
do meio dos seus parentes - Deixe para trás a alegria dos encontros de família!
da casa do seu pai. - Deixe a proteção e a segurança da casa, do ninho dos pais!
e vá para uma terra que eu lhe mostrarei!" - Vá, Abraão, mesmo sem mapa e sem GPS! A única certeza é minha presença contigo!

(Testemunho opcional: Cada pregador poderia relatar uma experiência em que renunciou a algo ou alguém em função da vocação ao ministério. Pessoalmente lembro-me do aperto financeiro nos tempos de estudante de Teologia. Já meu irmão, com seu salário da fábrica de calçados, comprou sua moto e depois seu carro. Minha bolsa mal dava para aluguel e comida. A tentação era questionar minha vocação: "Para isso me chamaste, Senhor? Por que, cristão assumido, ando tão apertado, quando meu irmão, que não quer saber nada de ti, vai tão bem? Comprou até jaqueta de couro?" Tantas vezes me apeguei à promessa do Sl 23.1: "O Senhor é meu pastor; nada me faltará." E absolutamente NADA me faltou. Tive acesso às melhores Escolas, às melhores bibliotecas, a bolsas de estudo. Sou muito grato a pessoas e instituições que auxiliaram em minha formação. )

Até que ponto estamos dispostos a correr riscos pelo Evangelho? Qual é o preço a pagar? Ser fiel a Deus e sua vontade pode trazer conflitos em casa, com a família, com o próprio parceiro de casamento, com irmãos. Quando optamos pela verdade e pela justiça, há um preço a pagar! Estás disposto?

     3. A fé de Abraão o moveu para algo novo e desconhecido.

A Palavra de Deus nos convida a participar dos eventos que ela nos relata. Poderíamos trocar o nome de Abraão pelo nosso nome: "Paulo ou ...., sai da tua terra." Vamos aplicar essa ordem à nossa vida espiritual. "Sai da zona de conforto. Deixa o que te é cômodo e fácil. Vai para uma nova terra espiritual!"

Caro irmão, cara irmã na fé: Encare uma nova experiência com Deus! Confie suas preocupações ao Senhor! Ore! Leia a Palavra! Confie que Ele cuidará de ti quando tens que correr riscos em nome do Evangelho. Quando somos confrontados com um novo desafio espiritual, é natural pensarmos: Para que mudar? Minha forma de crer sempre foi assim! Eu sempre fui assim! Mas para que nova terra espiritual, o Senhor te chama? A "terra" habitada pelo nosso orgulho de sermos fortes e autossuficientes, o terreno do egoísmo ou da ganância é terra fraca e ressequida. Mas a "nova terra" para a qual o Senhor nos envia, e nos presenteia, é terra fértil e boa. Lá crescem as plantas da confiança, da esperança, da paz, da solidariedade.

A promessa que Deus fez a Abraão, e para ti e para mim, é que todo aquele que obedece será abençoado! Muita gente atualmente busca as bênçãos de Deus. Muitos vão atrás da "terra" das curas e da prosperidade. Mas esquecem que antes vem o chamado para obedecer a Deus, para dar atenção às suas ordens. Somente num segundo momento, e sempre como dádiva e graça, vêm as bênçãos da obediência.

     4. A fé de Abraão é comprometida com seu povo e motivo de bênçãos a este.

Abraão parte sem garantias. Leva consigo apenas as promessas de Deus: "Os seus descendentes vão formar uma grande nação. Eu o abençoarei, o seu nome será famoso, e você será uma bênçãos aos outros. (...) E por meio de você eu abençoarei todos os povos do mundo."

O nome de Abraão está intimamente ligada a uma nação. A promessa é de que ele será instrumento de bênção, não só para os judeus, mas para todos os povos. Por isso, ele tem uma relação de compromisso com seu povo. Sua fé é comprometida, engajada, ligada a esse povo.

A fé cristã é fé comunitária. É celebrada, não num cantinho isolado, mas junto com o povo de Deus. Podemos ouvir o evangelho em emissoras de rádio. Podemos assistir na TV. Mas nada substitui a riqueza da comunhão humana em torno da Palavra de Deus!

Abraão será uma bênção aos outros. A palavra bênção significa mais que a despedida no final do culto. Bênção tem a ver com vida digna, solidariedade, justiça e paz. Paz em hebraico é Shalom. É a paz integral e completa. Deus nos chama a nos engajar para que haja esse Shalom na vida do povo de nosso país e de nossa cidade. Como diz o lema do ano: Para que em nosso meio haja mais vidas em verdadeira comunhão!
    
     5. Por fim, podemos afirmar que a fé de Abraão é incompleta, é inacabada. É como um projeto de engenheiro, cuja construção vai se concretizar em Jesus Cristo.

A fé no Filho de Deus que nós temos, e Abraão não teve em seu tempo, aponta para a salvação eterna, que a Carta aos Hebreus descreve muito bem. Quando fala dos "heróis" da fé do passado, o autor diz que todos eles "estavam procurando uma pátria melhor, a pátria celestial" (Hb 11.16). Essa pátria nos céus nos é dada mediante a fé, que aceita a Graça de Deus, o seu amor imerecido. Abraão confiou. Abraão arriscou. Não tinha garantias. Apenas a ordem e a promessa do Deus que lhe enviara. E isso lhes bastava. E isso nos basta. Amém.




P. Paulo Sergio Einsfeld
Nova Petrópolis, RS
E-Mail: peinsfeld76@gmail.com

(zurück zum Seitenanfang)