Göttinger Predigten

deutsch English español
português dansk Schweiz

Startseite

Aktuelle Predigten

Archiv

Besondere Gelegenheiten

Suche

Links

Gästebuch

Konzeption

Unsere Autoren weltweit

Kontakt
ISSN 2195-3171





Göttinger Predigten im Internet hg. von U. Nembach

1º Domingo na Quaresma, 10.02.2008

Predigt zu Genesis 2:7-9; 15-17, verfasst von Horst R. Kuchenbecker

A Primeira Tentação

Introdução

Alguém me disse certa vez: "Toda a vez que leio esses capítulos iniciais de Gênesis me pergunto: Será verdade? E então minha razão formula a cada versículos uma série de perguntas e finalmente sinto em mim revolta contra Deus com a última pergunta: Por que Deus fez isto assim?"

Estas perguntas revelam toda inimizade humana contra o santo e gracioso Deus. Somente quando o Espírito Santo nos ilumina e gera em nós a fé na graça de Cristo, diremos amém a este relato e tomaremos nossa razão cativa para submetê-la à palavra de Deus.

Sei que para um estudo mais profundo destes dois capítulos precisaríamos pelo menos de uma hora. Mas nestes poucos minutos que tenho aqui, gostaria de chamar vossa atenção sobre a primeira tentação, que foi fatal para os primeiros homens e toda humanidade,  e a vitória de Cristo sobre Satanás, que nos trouxe vida e eterna salvação para toda a humanidade.

O Texto

 

Em sua majestosa, graciosa e eterna sabedoria, Deus criou o universo e tudo o que nele há - anjos e homens - do nada pela palavra do seu poder. Isto, na verdade, não pode ser comprovado cientificamente, assim como a ciência e a razão humana não podem descobrir nem conhecer a Deus. Mas todos os que estudam e penetram nos conhecimentos da ciência, terão que concordar com o salmista que afirma: Os céus proclamam a glória de Deus e o firmamento anuncia as obras das suas mãos (Sl 19.1).  Por isso dizemos com o autor do livro de Hebreus: Pela fé entendemos que o universo foi formado pela palavra de Deus (Hb 11.3). 

Pois bem, Deus criou Adão do pó da terra e Eva de uma costela de Adão. Abençoou os dois e os colocou no jardim do Édem para o cultivar e guardar. E lhe deu esta ordem: De toda a árvore do jardim comerás livremente, mas da árvore do conhecimento do bem e do mal não comerás; porque no dia em que dela comeres certamente morrerás (Gn 2.15-17). Deus lhes deu um mandamento, pois ele é o Senhor Deus, que tem o direito de dar mandamentos e exigir o cumprimento por parte de suas criaturas. O homem foi criado perfeito e santo, conforme a imagem divina, que consistia no bem-aventurado conhecimento de Deus, perfeita justiça e santidade. Eles receberam com prazer a ordem de Deus e estavam dispostos para cumprí-la.

Obedecer voluntária e alegremente a Deus era seu máximo prazer. Deveriam agora comprovar sua alegre e voluntária obediência. O mandamento que receberam era simples. Poderiam comer de todas as árvores, menos da árvore do conhecimento do bem e do mal.

E Deus acrescentou: Porque no dia em que dela comeres certamente morrerás. Como vamos entender esta palavra? Como uma ameaça? Não! De forma nenhuma. Devemos entendê-la como uma séria indicação do que aconteceria se transgredissem o mandamento de Deus.

Como uma pessoa, criatura, poderia permanecer diante do santo e justo Deus se desobedecesse voluntária e conscientemente a ele, transgredindo a ordem de Deus? É importa lembrar, que é assim ainda hoje para nós cristãos. Se alguém que foi perdoado, propositada e persistentemente rejeita os mandamentos de Deus, entristecere o Espírito Santo, rompe a comunhão com Deus, o Espírito Santo se retira dessa pessoa e lamentavelment ela rumará para a eterna condenação.

Que a nossa oração seja: Ó Senhor Jesus, a ti seja todo o louvor e a glória por nos teres salvado. Enche-nos com o teu Espírito para que amemos os teus mandamentos e te sirvamos em obediência filial.

A Queda

Mas a serpente, mais sagaz que todos os animais selváticos que o Senhor Deus tinha feito, disse à mulher. (Gn 3.1) A pergunta que se levanta aqui é: Como surgiu Satanás se tudo era perfeito? A Bíblia não responde a todas as perguntas que nossa razão levanta. Ela só diz que Deus criou milhares de anjos bons e que alguns deles não guardaram o seu estado original, mas se rebelaram contra Deus e foram condenados por Deus. Mas eles possuem certa liberdade de ação até o dia do juízo final (Jd 6; Jo 8.44; 1 Pe 5.8,9).

Aí surge a  tentação. Adão e Eva viviam alegremente no jardim. Em toda a criação havia harmonia e paz. Então a serpente, mais sagaz do que todos os animais, se aproximou de Eva e lhe falou. Mas cobras não podem falar! O que será que Eva pensou quando a cobra falou com ela? Ué! será que Deus deu à cobra o dom de falar. Interessante! E o que a cobra falou? É assim que Deus disse: Não comereis de toda a árvore do jardim? Dentro da tão perfeita harmonia, de repente alguém  põe em dúvida a palavra de Deus? Isso não provir de Deus. De imediato Eva deveria ter fulminado a serpente com uma ordem condenatória.

Aqui vemos o primeiro passo na tentação, levar a pessoa a duvidar da palavra de Deus? Quando isto acontece em nossa mente, deveríamos nos assustar e fugir da dúvida. Fugi das tentações. Pedir a assistência do Espírito Santo. Mas Eva não fugiu. Deu ouvidos. Quantas dúvidas os meios de comunicação procuram lançar em nossa mente? Questionam as afirmações da Bíblia. Dizem que hoje não se pode aceitar isso ou viver assim, etc  E uma vez que Eva deu ouvidos à serpente, a serpente deu passos mais  arrojados. Ela disse: É certo que não morrereis! Mas o que é isto? Alguém que afronta e contradiz a palavra de Deus e faz de Deus um mentiroso? As pessoas que hoje questionam a palavra de Deus sob ângulos os mais diversos o fazem instigados e guiados por Satanás. Deus o chama de o pai da mentira (Jo 8.44).

E coitada da Eva, ela dá ainda mais atenção a Satanás. Que coisa triste!  E Satanás dá o bote fatal: É certo que não morrereis. Porque Deus sabe que no dia em que dele comerdes se vos abrirão os olhos e como Deus, sereis conhecedores do bem e do mal (Gn 3.4,5). Que tentação! Satanás está dizendo: "Isso Deus não disse para o vosso bem, pelo contrário, ele tem medo que vocês serão como ele. Vossos olhos se abrirão. Vocês serão conhecedores do bem e do mal, como Deus. Este conhecimento só ele tem. Vejam, Satanás valeu-se da própria palavra de Deus, mas a distorceu completamente. Que coisa terrível , que tentação, que poder de tentação!

Mas a árvore não se chamava a árvore do conhecimento do bem e do mal? Sim! Mas em que sentido? Esta árvore deveria revelar o bem e o mal, no sentido de mostrar se os homens iriam permanecer fiéis a Deus, praticando o bem ou se iriam desobedecer a Deus, fazendo o mal. E não no sentido de dar um conhecimento, de revelar um conhecimento que Deus havia ocultado aos homens. Esta é a terrível arte de Satanás - distorcer a palavra de Deus. Adão e Eva  não se tornariam, não receberiam um conhecimento especial, não seriam mais sábios; pelo contrário, perderiam o verdadeiro conhecimento do bem, a imagem divina, a santidade. Terrível! Quantos mestres querem ainda hoje com sua razão interpretar a Escritura, colocando a razão sobre a Escritura e tornando o bem em mal e o mal em bem, a exemplo de Satanás. Eva tomou e comeu e  deu a Adão e ele também comeu. Queriam ser como Deus, e a desobediência os separou de Deus. Que queda terrível.

Assim o diabo age ainda hoje. Bem afirma o apóstolo Tiago: Ninguém, ao ser tentado, diga: Sou tentado por Deus; porque Deus não pode ser tentado pelo mal; e ele mesmo a ninguém tenta. Ao contrário, cada um é tentado pela sua própria cobiça, quando esta o atrai e seduz. Então a cobiça, depois de haver concebido, dá à luz o pecado; e o pecado uma vez consumado, gera a morte  (Tg l.13,14).

A salvação

Abriram-se, então, os olhos de ambos (Gn 3.7). Sim, abriram-se os olhos como Satanás havia dito à mulher. E o que eles viram? Que estavam nus. Mas que mal havia nisso? Por que estranham de repente sua nudez? Porque o seu interior se corrompera. O pecado os separou de Deus e destruiu neles a imagem divina, a santidade. Encheu seus corações com perversidade e cobiça pecaminosa. Certa vergonha mental ainda ficou neles. Eles se vestiram com folhas.

À tarde Deus veio ao jardim. Adão e Eva se esconderam. Antes tinham prazer de estar na presença de Deus e conversar com ele, agora fogem e se escondem de sua presença. Deus os chamou. Começa um diálogo muito interessante. Adão e Eva reconhecem seu erro, mas não querem admitir sua culpa. Procuram colocar a culpa em outrem. Adão a coloca na mulher que Deus lhe deu, em última análise, no próprio Deus. A mulher coloca a culpa na serpente. Ainda hoje é assim. Reconhecemos certos erros e então nos desculpamos: "Todos fazem isso assim. Os outros me empurraram, me atraíram, me enganaram. Eu nem sabia que daria nisso. Eu não tinha outra opção." E afinal, as acusações vão diretamente contra Deus, como disse no início desta mensagem. Ó triste estado do ser humano. 

Deus proferiu uma maldição sobre a serpente. Tanto o animal por ter servido a Satanás, como ao próprio diabo. Enquanto Adão e Eva estavam, provavelmente tremendo, esperando sua sentença, eis que de repente, talvez nem puderam acreditar direito o que estavam ouvindo, ouvem palavras maravilhosas.  Porei inimizade entre ti e a mulher, entre a tua descendência e o seu descendente. Este te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar (Gn 3.15).

Porei inimizade. Para Adão e Eva a guerra estava perdida. Eles haviam perdido. Tornaram-se escravos de Satanás e réus da eterna condenação. Não só eles, mas toda sua descendência. E ninguém poderá acusar a Deus por proceder assim. Eis, no entanto, que da boca de Deus não saem palavras de condenação, pelo contrário palavras de amor. Eu, eu Deus, porei inimizade. O que ninguém poderia fazer, eu farei. Retomarei a guerra que vocês perderam e lutarei por vocês. Vou derrotar a Satanás e conquistar plena e poderosa salvação para vocês. Meu próprio filho, o Filho de Deus, vai humanar-se na virgem Maria e cumprir a lei de Deus em vosso lugar, pagar por vossas culpas. Ele vos dará a vitória, perdão dos pecados, vida e eterna salvação. Que notícia! Adão e Eva se consolaram com esta verdade. Esta verdade lhes deu força para a vida, contra o remorso, e encheu-lhes a alma de confiança.

Ainda hoje é assim. Só em Cristo encontramos a verdadeira razão para a vida, a força para para enfrentar os problemas, a paz e a felicidade. Pois Cristo Jesus, "o qual se nos tornou da parte de Deus sabedoria, e justiça, e santificação e redenção"  (1 Co 1.30).  Amém.

                                                                   

 



Horst R. Kuchenbecker
São Leopoldo, RS ? Brasil
E-Mail: horstkuchenbecker@gmail.com

(zurück zum Seitenanfang)